quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Ainda que eu falasse a língua dos homens ....


Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos
Sem amor, eu nada seria...

É só o amor, é só o amor
Que conhece o que é verdade
O amor é bom, não quer o mal
Não sente inveja
Ou se envaidece...

O amor é o fogo
Que arde sem se ver
É ferida que dói
E não se sente
É um contentamento
Descontente
É dor que desatina sem doer...

Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos
Sem amor, eu nada seria...

É um não querer
Mais que bem querer
É solitário andar
Por entre a gente
É um não contentar-se
De contente
É cuidar que se ganha
Em se perder...

É um estar-se preso
Por vontade
É servir a quem vence
O vencedor
É um ter com quem nos mata
A lealdade
Tão contrário a si
É o mesmo amor...

Estou acordado
E todos dormem, todos dormem
Todos dormem
Agora vejo em parte
Mas então veremos face a face
É só o amor, é só o amor
Que conhece o que é verdade...

Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos
Sem amor, eu nada seria...
(Legião Urbana - Monte Castelo)

29 de Setembro - São Miguel Arcanjo


Miguel, o Arcanjo, é considerado o chefe dos exércitos celestiais e o padroeiro da Igreja Católica. É o anjo do arrependimento e da justiça. É comemorado pela Igreja Católica sob o nome de São Miguel Arcanjo em 29 de setembro.

O Catolicismo mantém uma considerável devoção por São Miguel Arcanjo, especialmente demonstrada nas situações em que são efectuados pedidos de livramento dos seus fiéis contra ciladas do demônio e dos espíritos maléficos. Acredita ainda que, durante as orações, e quando o nome do arcanjo é invocado, este defenderá os crentes, com o grande poder que Deus lhe concedeu, protegendo-os contra os perigos, as forças do mal e os inimigos.

A escassa referência das Escrituras à pessoa de Miguel é considerada por alguns como uma demonstração de discrição ou importância relativa que envolve a sua figura. Nas menções efectuadas no livro de Daniel, os teólogos dividem-se acerca da interpretação dessas passagens. Alguns crêem ver neste Miguel aquele que mais tarde Judas designa por "Arcanjo". A maioria, porém, acredita que nestes versículos, Miguel é apenas uma figura que, de acordo com a crítica bíblica, é proveniente da mitologia Persa, com a qual o povo Hebreu contactou aquando do seu Exílio na Babilónia e não identificável com o Anjo com o mesmo nome. [...]

Perspectivas mitológicas

Arcanjo Miguel, por Simon Ushakov.De acordo com alguma angeologia inter-testamentária heterodoxa ("Revelação de Satanás" e "Ascensão de Melquisedec"), retomada posteriormente por cristão gnósticos - que não admitiam que Deus pudesse na verdade ter tocado, andado e vivido num mundo que consideravam perverso e diabólico - e cultos pagãos mistéricos da bacia do Mediterrâneo Oriental - que se serviram desta figura que tão poucas vezes aparece nomeada na Bíblia para estabelecerem pontes com cristãos menos formados -, o Anjo Miguel - "malach Micha'el" - ou o Justo Miguel - "sedek Micha'el" -; não era senão Melquisedeque "Mal'ch sedek" exaltado, glorificado, não sendo, pois, identificável como uma criatura primogénita.

Para estes movimentos que orbitavam o cristianismo primitivo, profundamente influenciados pela corrente filosófica do platonismo - que concebia a sua cosmologia como uma contínua estratificação de seres intermédios entre um demiurgo impotente e indiferente para com a humanidade e a sua criação - "sedek Micha'el" seria a figura do justo por excelência, aquele que, segundo Platão, morreria crucificado.

Misturando esta convicção filosófica com correntes cristãs heterodoxas, passaram a acreditar que, quem morrera na cruz, sob Pôncio Pilatos, afinal não fora senão Melquisedeque sob a aparência de Jesus de Nazaré que, na verdade, segundo estes, jamais existira. Para estes "sedek Micha'el", enquanto andou sobre a Terra debaixo da aparência de Jesus de Nazaré, jamais fora verdadeiramente homem, rejeitando terminantemente que ele tivesse tido a necessidade de comer, beber, dormir, expressar emoções ou realizar necessidades fisiológias pois, se assim não fosse, não teria podido ser um anjo, isto é, um ser puramente espiritual.

Estas convicções, imensamente influenciadas pelas angeologias pagãs e esotéricas que pululavam no Mediterrâneo Oriental, são hoje totalmente tidas como miticas e desprovidas de qualquer valor histórico, embora continuem a formar o pano de fundo para muitas correntes religiosas que tiveram o seu impulso inicial em William Miller. Independentemente da história que rodeia esta figura - e de toda a polémica que surgiu em redor do grande desapontamento acerca do dia que o mesmo previu ser o da vinda definitiva de Jesus/Melquisedeque, com a posterior criação de inumeras teorias da conspiração que geraram uma história, uma politica e uma sociologia paralela e alternativa - a verdade é que a sua impar capacidade de reler estas tradições para o seu tempo, marcaram profundamente milhares de pessoas que, descontente com a realidade e incapazes de viverem nela, nas suas perspectivas miticas e neo-pagãs - num verdadeiro "proto-New Age", ou "New Age avant la lettre" -, misturadas com um cristianismo débil que conheceiam e apreenderam, encontraram uma nova "fuga mundi" escapista."
(Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_(arcanjo) )

Kaô Kabelecilê


Como personagem histórico, Xangô teria sido o terceiro Aláàfìn Òyó, "Rei de Oyó", filho de Oranian e Torosi, a filha de Elempê, rei dos tapás, aquele que havia firmado uma aliança com Oranian. Xangô cresceu no país de sua mãe, indo instalar-se, mais tarde, em Kòso (Kossô), onde os habitantes não o aceitaram por causa de seu caráter violento e imperioso; mas ele conseguiu, finalmente, impor-se pela força. Em seguida, acompanhado pelo seu povo, dirigiu-se para Oyó, onde estabeleceu um bairro que recebeu o nome de Kossô. Conservou, assim, seu título de Oba Kòso, que, com o passar do tempo, veio a fazer parte de seus oríkì.

Dadá-Ajaká, filho mais velho de Oranian, irmão consangüíneo de Xangô reinava então em Oyó. Dadá é o nome dados pelos iorubás às crianças cujos cabelos cresciam em tufos que se frisam separadamente. "Ele amava as crianças, a beleza e as artes; de caráter calmo e pacífico... e não tinha a energia que um verdadeiro chefe dessa época". Xangô o destronou e Dadá-Ajaká exilou-se em Igboho, durante os sete anos de reinado de seu meio-irmão. Teve que se contentar, então, em
usar uma coroa feita de búzios, chamada adé de baáyàni. Depois que Xangô deixou Oyó, Dadá-Aaká voltou a reinar. Em contraste com a primeira vez, ele mostrou-se agora valente e guerreiro, voltou-se contra os parentes da família materna de Xangô, atacando os tapás.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Minha Vida por Frederico Eduardo Sobbé

Sinto uma grande necessidade de falar aqui sobre mim mesmo. Mas posso ser mal entendido pelo meu eventual leitor, vou colocar minhas idéias em inglês para diminuir a acessibilidade.
So I'll say this: I'm the only son of a modest man and I know how dificult it is to offer the necessary study to me as they did. I enter in the Civil Police as soon as completed 18 years reaching the position of Chief of Police later in my life. I have a graduation in law and before that a graduation in Biology and in the mean time I was graduate in English through an American University. Married, me and my wife raised three children now fully adults and graduated em law. We acquired patrimony and I can say that I'm a well known citizen... what else would I need?

(Fonte: www.delegadosobbe.blogspot.com )

Uma Homenagem a um Exemplo...

Exemplo de Filho...
Exemplo de Pai...
Exemplo de Marido...
Exemplo de Professor Delegado e Advogado...
Exemplo de Conduta....
Acima de tudo, um exemplo de Amor. Nos mínimos detalhes. Na entrega, na dedicação, nos ensinamentos, até no silêncio....
Pai, este Amor é o que fica e ficará sempre...
Ousaria discordar de ti em um só ponto:
Tu sempre nos disseste  que a nossa maior herança seria o estudo...
Não foi... Não consegui encontrar maior herança do que este Amor que tu nos dedicaste durante toda a vida...
Continuas conosco, Pai! É impressionante, a força do Amor...
A este Exemplo de Amor eu manifesto a minha profundíssima gratidão...
Te amo e que Deus ou o Grande Arquiteto do Universo continue a te abençoar e iluminar...

terça-feira, 8 de setembro de 2009

BUDISMO

A auto-salvação é uma tarefa urgente para qualquer homem. Se um homem jaz ferido por uma flecha envenenada, ele não atrasará a sua extração para pedir detalhes a respeito de quem a atirou ou do comprimento e fabricação da flecha. Haverá tempo para um entendimento crescente do ensinamento. Por enquanto, comecemos encarando a vida como ela é, aprendendo sempre pela experiência direta e pessoal.
O primeiro fato da existência é a lei da mudança ou impermanencia. Tudo o que existe, de uma mancha a uma montanha, de um pensamento a um império, passa pelo mesmo ciclo de existência; a saber: nascimento, crescimento, decadência e morte. só a vida é continua, ainda que buscando auto-expressão em novas formas. "A vida é uma ponte, não construas pois casas sobre ela". A vida é um processo de fluxo e aquele que se apega a qualquer forma, por mais esplendida que seja, irá sofrer por estar resistindo ao fluxo.
A lei da mudança aplica-se igualmente a "alma". Não existe nenhum principio nos indivíduos que seja imortal e imutável. somente "Aquilo que não tem nome", a Realidade Ultima, está alem da mudança e todas as formas de vida, o homem inclusive, são manifestações dessa Realidade. Ninguém é nunca o dono da vida que flui em si, assim como a lâmpada elétrica não é dona da corrente que a faz brilhar.
O Universo é a expressão da lei. todos os efeitos tem causas e a alma ou o caráter do homem é a soma total de seus pensamentos e ações anteriores. O Karma, que significa ação e reação, governa toda a existência e o homem é o único criador de suas circunstancias. sua reação a elas, cria sua condição futura e seu destino final. Através do pensamento e da ação corretos, ele pode gradualmente purificar a sua natureza interior e assim, através da auto-realização, atingir em tempo a libertação.
A vida é una e indivisível, ainda que suas formas que sempre mudam sejam inumeráveis e perecíveis. Na realidade não há morte, embora todas as formas devam morrer. Do entendimento da unidade da vida brota a compaixão, um sentimento de identidade com a vida em outras formas, a compaixão é descrita como a "lei das Leis - eterna harmonia", e aquele que quebra essa harmonia sofrerá proporcionalmente a sua ação e retardará sua iluminação.
Sendo a vida Una, os interesses da parte serão os interesses do todo. em sua ignorância, o homem pensa poder batalhar com sucesso por seus próprios interesses e essa energia de egoísmo, voltada para a direção errada, produz o sofrimento. a parte de seu sofrimento, ele aprende a reduzir e finalmente a eliminar sua causa. Buda ensinou as quatro Nobres Verdade: a) A Onipresença do sofrimento; b) sua causa, o desejo voltando para a direção errada; c) sua cura, a remoção da causa; d) o Nobre Óctuplo Caminho de auto-desenvolvimento, que conduz ao fim do sofrimento.
O Caminho Óctuplo consiste em: Visão Correta ou compreensão preliminar, Objetivos ou Motivos Corretos, Palavras Corretas, Ações Corretas, Vida Correta, Esforço Correto, Concentração ou Desenvolvimento Mental Correto e, finalmente, "Samandhi" (Meditação) Correto, que conduz a Iluminação completa. Assim como o Budismo é um Caminho de vida e não meramente uma teoria da vida, o trilhamento desse Caminho é essencial para a auto-libertação "Cessar de fazer o mal, aprender a fazer o bem, purificar sua própria mente: esse é o ensinamento dos Budas".
A Realidade é indescritível e um deus com atributos não é a Realidade final. Mas o Buda, um ser humano, tornou-se o Totalmente Iluminado, e o propósito da vida é o atingido da Iluminação. Esse estado de Consciência, o Nirvana, a extinção das limitações do ego, é atingível na terra. Todos os homens e todas as outras formas de vida contem a potencialidade da Iluminação e o processo consiste, portanto, em tornar-se naquilo que você é: "Olha para dentro: tu és Buda".
Entre a Iluminação potencial e a verdadeira fica o "Caminho do Meio, o Caminho Óctuplo" do desejo à paz, um processo de auto-desenvolvimento entre os "opostos", evitando os extremos. Buda palmilhou esse caminho até o fim e a única fé requerida no Budismo é a crença razoável de que houve um Guia que trilhou esse Caminho e que vale a pena que nós o trilhemos. O Caminho deve ser trilhado pelo homem inteiro e não apenas pelo que há de melhor nele. Coração e mente devem ser igualmente desenvolvidos. Buda foi o Todo Compassivo, ao mesmo tempo que foi o Iluminado.
O Budismo insiste grandemente na necessidade da concentração e da meditação interiores, que conduzem em tempo ao desenvolvimento das faculdades espirituais interiores. A vida interior é tão importante quanto o corre-corre cotidiano e períodos de quietude para a atividade interior são essenciais para uma vida equilibrada. O Budista deve estar atento e consciente de si em todas as horas, guardando-se do apego mental e emocional ao "espetáculo que passa". Esta vigilante e crescente atitude em relação às circunstancias, que ele sabe serem sua própria criação, ajuda-o a manter sua reação a elas sempre sob controle.
Buda disse: "Trabalha para tua própria salvação, com diligência". O Budismo não conhece qualquer autoridade, salvo a intuição do indivíduo e essa autoridade é apenas para esse indivíduo sozinho. Cada homem sofre as conseqüências de seus próprios atos e com isso aprende, enquanto ajuda seu semelhante, a alcançar a mesma libertação. Não se reza ao Buda ou a qualquer deus para impedir que efeito se produza a partir de determinadas causas. Os monges Budistas são mestres e exemplos, e de nenhuma maneira intermediários entre a Realidade e o indivíduo. A máxima tolerância é praticada em relação à todas as religiões e filosofias, pois nenhum homem tem o direito de interferir na jornada de seu vizinho para a Meta.
O budismo não é nem pessimista nem "escapista", nem nega a existência de Deus e da alma, embora ele empreste um significado especial a esses termos. Ele é, pelo contrário, um sistema de pensamento, uma religião, uma ciência espiritual e um caminho de vida, que é razoável, pratico e abrange todas as coisas. Por mais de dois milênio satisfez ele as necessidades espirituais de cerca de um terço da humanidade. ele atrai o Ocidente porque não tem dogmas, satisfaz igualmente a razão e o coração, insiste na auto-confiança aliada à tolerância para com outros pontos de vista, abrange ciência, religião, filosofia, psicologia, ética e arte, e insiste no homem sozinho como único criador de sua vida presente e determinador de seu destino.

Tédio

Descobri que estou entendiado, sem entusiasmo. Você disse para nos aceitarmos do jeito que somos. Não consigo aceitar a vida, sabendo que, ...