segunda-feira, 29 de junho de 2009

São Pedro




Oração a São Pedro


Ó glorioso São Pedro, Príncipe dos Apóstolos, a quem o Senhor Jesus escolheu para ser o fundamento de sua Igreja, entregou as chaves do Reino dos Céus e constituiu pastor universal de todos os fiéis, queremos ser sempre vossos súditos e filhos.Confiantes na Palavra do Senhor que vos disse: "Tudo que ligares na terra será ligado nos céus" e no encargo que vos deu de confirmar os irmãos na fé, concedei-nos a graça de, diante da diversidade das opiniões dos homens, saber como vós professar com firmeza nossa fé em Cristo, filho de Deus, e permanecer naquele amor a Jesus que por três vezes, proclamastes após a ressurreição. Dai-nos que, fiéis aos ensinamentos do evangelho, permaneçamos unidos no rebanho do Senhor, confiado à vossa guarda, e no amor do Santo Padre, vosso legítimo sucessor, a fim de que, após o tempo desta vida, possamos nos unir para sempre à Igreja triunfante no céu. Amém

O VENTO

O sucesso está na lucidez e no esforço constante. Assim, o equilíbrio, a harmonia e a paz chegarão. Calma.
As forças do mal serão dissipadas, não tema. O sábio caminha com a verdade, a diplomacia e a generosidade.

I CHING

23. A DESINTEGRAÇÃO. Momento de muito perigo, é preciso manter-se firme evitando reagir ou se expor. Há forças adversas que intentam em destiruir toda e qualquer resistência. Elas não atacam diretamente, mas procuram demolir internamente, não aja, mantenha a reserva.

terça-feira, 23 de junho de 2009

I CHING

33. A RETIRADA
O sábio sabe quando deve ou não agir. Em momento de perigo é mais prudente recuar. A energia deve ser conservada para ser usada na hora certa. Afastar-se é uma decisão sábia, não revele seus pensamentos ou projetos. Não alimente mágoas ou orgulho.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Leva o Barco Devagar

Tá legal
Tá legal, eu aceito o argumento
Mas não me altere o samba tanto assim
Olha que a rapaziada está sentindo a falta
De um cavaco, de um pandeiro ou de um tamborim

Sem preconceito ou mania de passado
Sem querer ficar do lado de quem não quer navegar

Faça como um velho marinheiro
Que durante o nevoeiro
Leva o barco devagar

(Argumento - Paulinho da Viola)

terça-feira, 16 de junho de 2009

Além do Horizonte

Além do Horizonte deve ter
Algum lugar bonito
Prá viver em paz
Onde eu possa encontrar
A natureza
Alegria e felicidade
Com certeza...

Lá nesse lugar
O amanhecer é lindo
Com flores festejando
Mais um dia que vem vindo...

Onde a gente pode
Se deitar no campo
Se amar na relva
Escutando o canto
Dos pássaros...

Aproveitar a tarde
Sem pensar na vida
Andar despreocupado
Sem saber a hora
De voltar...

Bronzear o corpo
Todo sem censura
Gozar a liberdade de uma vida
Sem frescura...

Se você não vem comigo
tudo isso vai ficar
no horizonte esperando
por nós dois

Se você não vem comigo
nada disso tem valor
de que vale o paraíso
sem amor

Além do Horizonte
Existe um lugar
Bonito e tranqüilo
Prá gente se amar...

(R. Carlos)

Simplicidade

Viva com simplicidade.
Porque complicar as coisas?
Você acabará atrapalhando sua própria vida, porque as complicações nos atrasam.
Seja simples e eficaz.
A simplicidade olha a natureza sem colocar óculos.
Quando puder resolver as coisas sem complicá-las, faça-o em seu próprio benefício.
Busque na simplicidade a solução de todos os seus problemas.

(Minutos de Sabedoria - C. Torres Pastorino)

I CHING

08. A UNIÃO. A união só fortalece, seja fiel e solidário. Um amigo com grande sabedoria poderá ajudá-lo, mas você tem que fazer a sua parte para atrair aliados.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Santo Antônio


Cinco Minutos
Diante de Santo Antônio

Há quanto tempo te esperava, ó alma devota, pois bem conheço as graças de que necessitas e que queres que eu peça ao Senhor.
Estou disposto a fazer tudo por ti; mas, filho, dize-me uma a uma todas as tuas, necessidades, pois desejo ser o intermediário entre tua alma e Deus com o fim de suavizar teus males.
Sinto a aflição de teu coração e quero unir-me às tuas amarguras.
Desejas o meu auxílio no teu negócio ..., queres a minha proteção para restituir a paz na tua família ..., tens desejo de conseguir algum emprego ..., queres ajudar alguns pobres ..., alguma pessoa necessitada ..., desejas que cesse alguma tribulação ..., queres a tua saúde ou de alguém a quem muito estimas? Coragem, que tudo obterás.
Agradam-me também as almas sinceras que tomam sobre si as dores alheis, como se fossem próprias.
Mas eu bem vejo como desejas aquela graça que há tanto tempo me pedes.
Tem fé que não tardará a hora em que hás de obtê-la.
Uma coisa porém, desejo de ti. Quero que sejas mais assíduo ao Santíssimo Sacramento; mais devoto para com a nossa Mãe, Maria Santíssima; quero que propagues a minha devoção e ajudes meus pobres. Oh! quanto isso me agrada ao coração! Não sei negar nenhuma graça àqueles que socorrem os outros por meu amor, e bem sabes quantos favores são obtidos por esse meio.
Quantos, com viva fé, têm recorrido a mim com o pão dos pobres na mão e são atendidos! Invocam-me para ter êxito feliz em um negócio, para achar um objeto perdido, para obter a saúde de uma pessoa enferma, para conseguir a conversão de alguém afastado de Deus, e eu, por amor dos meus pobres cuja miséria está ao meu cargo, obtenho de Deus tudo o que pedem e ainda muito mais.
Temes que eu não faça outro tanto por ti? Não penses nisso porque prezo muito as prerrogativas concedidas por Deus de ser __o Santo dos milagres.
Muitos outros, como tu, têm precisado de mim e temem pedir-me, pensando que me importunam.
Leio tudo no fundo do coração e a tudo darei remédio; hei de obter as graças; não temas.
Agora volta as tuas ocupações e não te esqueças do que te recomendei; vem sempre procurar-me, poque te espero; tuas visitas me hão de ser sempre agradáveis, porque amigo afeiçoado como eu não acharás.
Deixo-te no coração sagrado de Jesus e também no de Maria e no de São José.
Reze em seguida 1 Pai Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai.

I CHING

24. O RETORNO. Após um período de trevas, a luz volta a brilhar. Agora é tempo de renovação, não tenha pressa, confie no curso natural, é hora de por em prática novos projetos. Reacenda a chama do otimismo que sempre esteve dentro de você.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Tempo de Delicadeza

Sei que as pessoas estão pulando na jugular umas das outras.
Sei que viver está cada vez mais dificultoso.
Mas talvez por isto mesmo ou talvez devido a esse maio azulzinho, a esse outono fora e dentro de mim, o qfato é que o tema da delicadeza começou a se infiltrar, digamos, delicadamente nessa crônica, varando os tiroteios, os sequestros, as palavras ásperas e os gestos grosseiros que ocorrem nas esquinas da televisão e do cinema com a vida.
Talvez devesse lançar um manifesto pela delicadeza. Drummond dizia: "Sejamos pornográficos, docemente pornográficos." Por isto, é necessário reverter poeticamnete a situação e com Vinícius de Moraes ou Rubem Braga dizer em tom de elegia ipanemense:
Meus amigos, meus irmãos, sejamos delicados, urgentemente delicados.
Com a delicadeza de São Francisco, se pudermos.
Com a delicadeza rija de Gandhi, se quisermos.
Já a delicadeza guerrilheira de Guevara era, convenhamos, discutível. Mas mesmo ele que andou fuzilando pessoas por aí, também andou dizendo: "Endurecer, sem jamais perder a ternura."
Essa a contradição do ser humano. Vejam o nosso sedutor e exemplar Vinícius, que há vinte anos nos deixou, delicadamente.
Era um profissional da delicadeza. Naquela sua pungente "Elegia ao primeiro amigo" nos dizia:
Mato com delicadeza. Faço chorar delicadamente
E me deleito. Inventei o carinho dos pés; minha alma
Áspera de menino de ilha pousa com delicadeza sobre um corpo de adúltera.
Na verdade, sou um homem de muitas mulheres, e com todas delicado e atento.
Se me entediam, abandono-as delicadamente, desprendendo-me delas com uma doçura de água.
Se as quero, sou delicadíssimo; tudo em mim
Desprende esse fluído que as envolve de maneira irremissível.
Sou um meigo energúmeno. Não sou bom
Nem mau: sou delicado. Preciso ser delicado
Porque dentro de mim mora um ser feroz e fraticida
Como um lobo.

Está aí: porque somos ferozes precisamos ser delicados. Os que não puderem ser puramente delicados, que o sejam ferozmente delicados.
Houve um tempo em que se era delicado. E Rimbaud, que aos dezessete anos já tinha feito sua obra poética, é quem disse um dia: "Por delicadeza, eu perdi minha vida".
Intrigante isto.
Há pessoas que perdem lugar na fila, por delicadeza. Outras, até o emprego. Há as que perdem o amor por amorosa delicadeza. Sim, há casos de pessoas que até perderam a vida, por pura delicadeza. Não é certamente o caso de Rimbaud, que se meteu em crimes e contrabandos na África. O que ele perdeu foi a poesia. E isto é igualmente grave.
Confesso que, buscando progrmas de televisão, para escapar da opressão cotidiana, volta e meia acabo dando em filmes ingleses do século passado. Mais que as verdes paisagens, que o elegante guarda-roupa, fico ali é escutando as palavras educadíssimas e gestos elegantemente nobres. Não é que entre as personagens não haja as pérfidas, as perversas. Mas os ingleses têm uma maneira tão suave, tão fina de serem cruéis, que parece um privilégio sofrer nas mãos deles.
Tudo é questão de estilo.
Aquele detestável Bukowski, sendo abominável, no entanto, num poema delicado dizia que gostava dos gatos, porque os gatos tinham estilo. É isso. É necessário, com certa presteza, recuperar o estilo felino da delicadeza.
A delicadeza não é só uma categoria ética. Alguém deveria lançar um manifesto apregoando que a delicadeza é uma categoria estética.
Ah, quem nos dera a delicadeza pueril de algumas árias de Mozart. A delicadeza luminosa dos quadros dos pintores flamengos., de um Vermeer, por exemplo. A delicadeza repousante das garrafas nas naturezas mortas de Moranti. Na verdade, carecemos da delicadeza dos adágios.
Vivemos numa época em que nos filmes americanos os amantes se amam violentamente, e em vez de sussurrarem "I love you" arremetem um virótico "Fuck you".
Sei que alguém vai dizer que com delicadeza não se tira um MST - com sua foice e fúria - dos prédios ocupados. Mas quem poderá negar que o poder tem sido igualmente indelicado com os pobres desse país há quinhentos anos?`
Penso nos grandes delicados da história. Deveriam começar a fazer filmes, encenar peças sobre os memoráveis delicados. Vejam o Marechal Rondon. Militar e, no entanto, como se fora um místico oriental, cunhou aquela expressão que pautou seu contato com os índios brasileiros: "Morrer se preciso for; matar, nunca".
A historiadora Denise Bernuzzi de Sant'Anna anda fazendo entre nós o elogio da lentidão, denunciando a ferocidade da cultura da velocidade. É bom pensar nisto. Pela pressa de viver as pessoas estão esquecendo de viver. Estão todos apressadíssimos indo a lugar nenhum.
Curioso, a delicadez tem a ver com a lentidão. A violência tem a ver com a velocidade. E outro dia topei com um livro, A descoberta da lentidão, onde Sten Nadolny faz a biografia do navegador John Franklin, que vivia pesquisado o Polo Norte. Era lento em aprender as coisas na escola, mas quando aprendia algo o fazia com mais profundidade que os demais.
Sei que vão dizer: a burocracia, o trânsito, os salários, a polícia, as injustiças, a corrupção e o governo não nos deixam ser delicados.
- E eu não sei.
Mas de novo vos digo: sejamos delicados. E, se necessário for, cruelmente delicados.

(Affonso Romano de Sant'Anna)

Tédio

Descobri que estou entendiado, sem entusiasmo. Você disse para nos aceitarmos do jeito que somos. Não consigo aceitar a vida, sabendo que, ...