segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Caminito

Caminito que el tiempo ha borrado
que juntos un día nos viste pasar
he venido por última vez
he venido a contarte mi mal.
Caminito que entonces estabas

bordeado de trébol y juncos en flor
una sombra ya pronto serás
una sombra lo mismo que yo.
Desde que se fue

triste vivo yo
caminito amigo
yo también me voy.
Desde que se fue

nunca más volvió
seguiré sus pasos
caminito, adiós.
caminito que todas las tardes

feliz recoria cantando mi amor
no le digas si vuelbe a pasar
que mi llanto tu suelo rego
Caminito abierto de cardos

la mano del tiempo tu huella borró
y a tu lado quisiera caer
y que el tiempo nos mate a los dos.
Desde que se fue

triste vivo yo
caminito amigo
yo también me voy.
Desde que se fue

nunca más volvió
seguiré sus pasos
caminito, adiós.

GARDEL

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

I CHING

62. O PEQUENO SUCESSO . O grande nasce pequeno. O pássaro que voa baixo é ouvido por todos. Dedique-se aos pequenos projetos. Seja humilde e moderado em suas palavras e ações, cultive o simples, desta forma estará adquirindo experiência e sabedoria.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Sem palavras...

Venho, como antigamente entre os filhos transviados de Israel, trazer a verdade e dissipar as trevas. Escutai-me. O Espiritismo, como antigamente minha palavra, deve lembrar aos incrédulos que acima deles reina a verdade imutável: o Deus bom, o Deus grande que faz germinar a planta e eleva as ondas. Revelei a Doutrina divina e, como um ceifeiro reuni em feixes o bem esparso na Humanidade e disse: Vinde a mim, todos vós que sofreis!
Mas os homens ingratos desviaram-se do caminho reto e largo que conduz ao reino de meu Pai, e estão perdidos nos ásperos e estreitos caminhos da impiedade. Meu Pai, não quer aniquilar a raça humana, quer que, ajudando-vos uns aos outros, mortos e vivos, quer dizer, mortos segundo a carne, porque a morte não existe, vos socorrais e que, não mais a voz dos profetas e dos apóstolos, mas a voz daqueles que não estão mais na Terra, se faça ouvir para vos proclamar: Orai e crede! porque a morte é a ressureição e a vida é a prova escolhida, a qual vossas virtudes cultivadas devem crescer e se desenvolver como o cedro.
Homens fracos, que compreendeis as trevas de vossas inteligências, não afasteis o facho que a clemência divina coloca entre vossas mãos para iluminar vosso caminho e vos conduzir, filhos perdidos, ao regaço de vosso Pai.
Estou muito tocado de compaixão pelas vossas misérias, pela vossa imensa fraqueza, para não estender mão segura aos infelizes tranviados que, vendo o céu, tombam no abismo do erro. Crede, amai, meditai as coisas que vos são reveladas; não mistureis o joio ao bom grão, as utopias às verdades.
Espíritas! amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo. Todas as verdades se encontram no Cristianismo; os erros que nele se enraizam são de origem humana, e eis que, além do túmulo que acreditáveis o nada, vozes vos clamam: Irmãos! nada perece; Jesus Cristo é o vencedor do mal, sede os vencedores da impiedade. (Espírito de Verdade, Paris, 1860)
(O Evangelho Segundo o Espiritismo - Leitura "ao acaso" - Capítulo VI - O Cristo Consolador)

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Amor....

"O amor é de essência divina, e, desde o primeiro até o último possuís no fundo do coração, a chama desse fogo sagrado. É um fato que pudestes constatar muitas vezes, o homem mais abjeto, o mais vil, o mais criminoso, tem por um ser, ou por um objeto qualquer, uma afeição viva e ardente, à prova de tudo que tendesse a diminuí-la, e atingindo, frequentemente, proporções sublimes.
Disse eu, por um ser ou por um objeto qualquer, porque existem entre vós indivíduos que dispensam tesouros de amor, dos quais seus corações transbordam, sobre animais, sobre plantas e mesmo sobre objetos materiais: espécies de misantropos se queixando da Humanidade em geral, resistindo contra a tendência natural de sua alma, que procura ao seu redor, a afeição e a simpatia ; eles rebaixam a lei do amor ao estado do instinto. Mas, qualquer coisa que façam, não saberão sufocar o germe vivaz que Deus lhes depositou nos corações, na sua criação; esse germe se desenvolve e engrandece com a moralidade e a inteligência, e, ainda que comprimido pelo egoísmo, é a fonte de santas e doces virtudes que fazem as afeições sinceras e duráveis, e vos ajudam a transpor a rota escarpada e árida da existência humana.
[...]"

(O Evangelho Segundo o Espiritismo - Fenelon - Bordéus)

As Fraquezas

Capítulo 12 A Visão de Paulo
1 É necessário que eu continue a gloriar-me com isso. Ainda que eu não ganhe nada com isso, passarei às visões e revelações do Senhor.
2 Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado ao terceiro céu. Se foi no corpo ou fora do corpo, não sei; Deus o sabe.
3 E sei que esse homem — se no corpo ou fora do corpo, não sei, mas Deus o sabe —
4 foi arrebatado ao paraíso e ouviu coisas indizíveis, coisas que ao homem não é permitido falar.
5 Nesse homem me gloriarei, mas não em mim mesmo, a não ser em minhas fraquezas.
6 Mesmo que eu preferisse gloriar-me não seria insensato, porque estaria falando a verdade. Evito fazer isso para que ninguém pense a meu respeito mais do que em mim vê ou de mim ouve. 7 Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar.
8 Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim.
9 Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim.
10 Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.

(Segunda Epístola de Paulo Apóstolo aos Coríntios)

A Autoridade


Uma autoridade pode ser de dois tipos: epistemológica ou deontológica.
Isto significa que toda autoridade decorre do saber ou do dever, ou, em outras palavras, do
conhecimento de quem sabe ou do reconhecimento da legitimidade de quem manda.
A autoridade epistemológica é exercida, em determinado âmbito, pelo indivíduo que sabe
mais sobre o sujeito que sabe menos.
A autoridade deontológica é exercida por um indivíduo sobre um sujeito no âmbito de situações de liderança, chefia ou comando.

Equívocos

egoísmo disfarçado de amor;
arrogância disfarçada de autoconfiança;
inveja disfarçada de admiração;
indiferença disfarçada de tolerância;
ignorância disfarçada de conhecimento;
orgulho disfarçado de humildade.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

11 de agosto

"O Direito é como Saturno devorando os seus próprios filhos; não pode remoçar sem aniquilar seu próprio passado, um direito concreto que se vangloria da sua existência para pretender uma duração ilimitada, eterna, recorda o filho que levanta a mão contra a sua própria mãe. Insulta a idéia do direito, invocando-a, porque a idéia do direito será eternamente um movimento progressivo de transformação; mas o que desapareceu deve ceder lugar ao que em seu lugar aparece, porque... "tudo o que nasce está destinado a voltar ao nada "(Goethe, Fausto).

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

CRUELDADE


A auto-crueldade é, sem dúvida, a mais dissimulada de todas as opressões.
De todas as violências que padecemos, as que fazemos contra nós mesmos são as que mais nos fazem sofrer. Nessa crueldade, não se derrama sangue, somente se constroem cercas e cercas, que passam a nos sufocar e a nos afligir por dentro.
Montaigne, célebre filósofo francês do século XVI, escreveu: "A covardia é mãe da crueldade". Realmente, é assim que se inicia nossa auto-agressão. Em razão de nossa fragilidade interior e de nossos sentimentos de inferioridade, aparece o temor, que nos impede de expressar nossas mais íntimas convicções, dificultando-nos falar, pensar e agir com espontaneidade ou descontração.
A auto-crueldade é, sem dúvida, a mais dissimulada de todas as opressões. Além de vir adornada de fictícias virtudes, recebe também os aplausos e as considerações de muitas pessoas, mas, mesmo assim, continua delimitando e esmagando brutalmente. Essa atmosfera virtuosa que envolve os que buscam ser sempre admirados e aceitos deve-se ao papel que representam incessantemente de satisfazer e de contentar a todos, em quaisquer circunstâncias. Buscam contínuos elogios, colecionando reverências e sorrisos forçados, mas pagam por isso um preço muito alto: vivem distantes de si mesmos.
A causa básica do "auto-tormento" consiste em algo muito simples: viver a própria vida nos termos estabelecidos pela aprovação alheia.
A timidez pode ser considerada uma auto-crueldade. O acanhado vigia-se e, ao mesmo tempo, vigia os outros, vivendo numa auto-prisão. Em razão de ser aceito por todos, ele não defende sua vontade, mas sim a vontade das pessoas. Pensa que há algo de errado com ele, não desenvolve a autoconfiança e, continuamente, se esconde por inibição.
Pensar e agir, defendendo nosso íntimo e nossos direitos inatos e, definindo nossas perspectivas pessoais, sem subtrair os direitos dos outros, é a imunização contra a auto-crueldade.
Para vivermos bem com nós mesmos, é preciso estabelecer padrões de auto-respeito, aprendendo a dizer "não sei", "não compreendo", "não concordo" e "não me importo".
As criaturas que procuram bajulação e exaltação martirizam-se para não cometer erros, pois a censura, a depreciação e a desestima é o que mais as atemorizam. Esquecem-se de que os erros são significativas formas de aprendizagem das coisas. É muito compreensível falarmos à lógica numa tomada de decisão, ou mudarmos de idéia no meio do caminho; no entanto, quando errarmos, será preciso que assumamos a responsabilidade pelos nossos desencontros e desacertos e apreendamos o ensinamento da lição vivenciada.
Quem busca consenso, crédito e popularidade não julgam seus comportamentos por si mesmo, mas procura, ansiosamente, as palmas dos outros, oferecendo inúmeras razões para que suas atitudes sejam totalmente consideradas.
Vivendo e seguindo seus próprios passos, poderá inicialmente encontrar dificuldades momentâneas, mas, com o tempo, será recompensado com um enorme bem-estar e uma integral segurança da alma.
Estar alheio ou sair de si mesmo, na ânsia de ser amado por todos aqueles que consideram modelos importantes, será uma meta alienada e inatingível. O único modo de alcançar a felicidade é viver, particularmente, a própria vida.
A fixação que temos de olhar o que os outros acham ou acreditam, sem possuirmos a real consciência do que queremos, podemos, sentimos, pensamos e almejamos, é o que promove a destruição em nossa vida interior, ou seja, o esfacelamento da própria unidade como seres humanos e, por conseqüência, nossa unidade com a vida que está em tudo e em todos.
Consultam Kardec os Obreiros do Bem: "A obrigação de respeitar os direitos alheios tira ao homem o de pertencer-se a si mesmo?" E eles responderam: "De modo algum, porquanto este é um direito que lhe vem da Natureza".
"Pertencer-se a si mesmo", conforme nos asseveram os Espíritos, é exercer a liberdade de não precisar conciliar as opiniões dos homens e de livrar-se das amarras da tirania social, da escravidão do convencionalismo religioso, das vulgaridades do consumismo, da constrição de ser dependente, enfim, do medo do que dirão os outros.
A solução para a auto-crueldade será a nossa tomada de consciência de que temos a liberdade por "direito que vem da Natureza". Contudo, de quase nada nos servirá a liberdade exterior, se não cultivarmos uma autonomia interior, porque quem está internamente entre grilhões e amarras jamais poderá pensar e agir livremente.

Espírito: HAMMED
Médium: Francisco do Espírito Santo Neto – As dores da alma.


* * *
"O Espiritismo é toda uma Ciência, toda uma Filosofia. Quem desejar conhece-lo seriamente deve, pois, como primeira condição, submeter-se a um estudo sério e persuadir-se de que, mais do que qualquer outra ciência, não se pode aprendê-lo brincando." – Allan Kardec

www.luzdoespiritismo.blogger.com.br Grupo de Estudos Allan Kardec

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O POÇO

O êxito encontra-se no humanitarismo e na esperança.
O amor ao próximo traz o bem estar.
A negligência e a decadência dos valores destroem a fonte da vida: a alma.
O sucesso está na elevação espiritual.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Sem Comentários

Não seja impaciente!

Não tenha pressa em chegar ao fim.

Deixe que o tempo amadureça os frutos, de modo que possa colhê-los amadurecidos.

Caminhe com segurança e constância, porque tudo chegará na hora exata e mais oportuna.

Os frutos amadurecidos à força não são tão saborosos, quanto os que amadurecem naturalmente.

Saiba esperar com paciência e não desanime.

(Minutos de Sabedoria - C. Torres Pastorino)

Tédio

Descobri que estou entendiado, sem entusiasmo. Você disse para nos aceitarmos do jeito que somos. Não consigo aceitar a vida, sabendo que, ...